quarta-feira, 23 de maio de 2018

FOTOGRAFIA COM PIPOCA - SEGUNDA EDIÇÃO

(poster de divulgação do evento)

Nesta terça feira o Fotografia com Pipoca abriu mais uma edição de seu ciclo de cinema e debates com o filme Nascidos em Bordéis (Born into Brothels) dirigido por Zana Briski e Ross Kauffman. O documentário, vencedor do Oscar de 2005 por sua categoria, conta sobre a fotógrafa Zana Briski que ao conhecer o bairro de prostituição da cidade de Calcutá, se compadece da precária condição de suas crianças e as ensina a fotografar, revelando talentos e possibilidades onde antes só existia miséria.

O filme foi debatido pelo Professor Doutor Cláudio Tarouco de Azevedo. Em sua fala demonstrou o potencial que a arte possui para causar transformações na vida das pessoas, assim como o papel do artista e do professor em propor experiências que podem mudar a perspectiva de vida e deixar marcas naqueles que estão abertos a vivê-las.

 (participantes da abertura do seminário)




terça-feira, 15 de maio de 2018

PHOTOGRAPHEIN NO SCRATCH DAY - PELOTAS!


No dia 12 de Maio o Photographein participou do Scratch Day em Pelotas. O evento de escala global reuniu a comunidade escolar pública, a comunidade acadêmica e profissionais da tecnologia e artistas locais e promoveu um dia de atividades que celebram os chamados "4 Ps da aprendizagem criativa" que seriam "Projeto, Pares, Paixão e Play".

(Imagem promocional da oficina feita pelos organizadores do evento)

A Oficina de Arte Postal foi oferecida para crianças de diferentes faixas etárias participantes do evento e ministrado pelos acadêmicos Ítalo Franco e Vanessa Cristina Dias no turno da manhã e Guilherme Susin Sirtoli e Dhara Nunes Carrara no turno da tarde, com orientação da professora Cláudia Mariza Mattos Brandão. Tinha como objetivo a confecção de cartões postais como linguagem artística, promovendo uma arte de trânsito que pode percorrer diferentes locais aos quais é recebida (casas, galerias, museus, etc). 

 (Acadêmicos Guilherme e Dhara durante a oficina no turno da tarde)

 (Acadêmicos Ítalo e Vanessa durante a oficina no turno da manhã)

 (Um dos trabalhos realizados durante a oficina)

(Alunas participando da oficina de arte postal)


segunda-feira, 23 de abril de 2018

LIVRO "PHOTOGRAPHEIN NA FRONTEIRA" NOS 70 ANOS DO MASC!




O PhotoGraphein está participando dos 70 anos do Museu de Arte de Santa Catarina em parceria com a Editora Caseira. Disponibilizamos para exibição o livro multiplataforma PhotoGraphein na Fronteira, resultado das reflexões durante a viagem do grupo de pesquisa pela fronteira Brasil x Uruguai junto ao projeto Para-Formal na Fronteira. Foi lançado durante a exposição de mesmo nome em formato físico e em e-book, com os registros de tal imersão [para saber mais clique aqui]. 

- Para acessar o livro em formato e-book clique aqui!

- Aproveite e conheça o trabalho da Editora Caseira clicando aqui!

"A exposição terá o caráter de um mundo como armazém, todas as obras serão expostas com seus preços e nos dias 08 e 09 de junho a 16ª edição finalizará com um encontro entre artistas/coletivos/editoras e público, onde todos os trabalhos estarão disponíveis para serem vendidos em uma feira de arte de obras que sejam múltiplos, como: publicações de artista, livros de artista, cadernos de artista, cadernos de desenho, diários de artista, diários de bordo, postais, panfletos, cartazes, gravuras, fanzines, lambe-lambes, stickers, cartões, carimbos, objetos, etc; ou seja, trabalhos que tenham tiragens, de pequenas e grandes edições. Nos mesmos dias da feira também será realizado um Seminário Nacional sobre o tema múltiplo e publicação de artista, em parceria com o Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da UDESC".


                      
Registro do livro em exposição nos 70 anos do MASC

- Para acessar o livro em formato e-book clique aqui!

- Aproveite e conheça o trabalho da Editora Caseira clicando aqui!

quinta-feira, 19 de abril de 2018

PhotoGraphein no I Congresso Internacional de Pesquisa em Cultura e Sociedade

Entre os dias 17 a 19 de abril ocorreu na Universidade Federal de Pelotas a primeira edição do Congresso Internacional de Pesquisa em Cultura e Sociedade, quando foi apresentada pesquisa fomentada no PhotoGraphein - Núcleo de Pesquisa em Fotografia e Educação (UFPel/CNPq). Orientada pela professora e coordenadora do grupo Cláudia Mariza Mattos Brandão, a acadêmica Vanessa Cristina Dias apresentou no Simpósio Temático de Iniciação Científica a pesquisa intitulada A IMAGEM FEMININA ATRAVÉS DAS FOTOGRAFIAS DE NAN GOLDIN E FRANCESCA WOODMAN, abordando obras de duas artistas mulheres, fotógrafas, a fim de problematizar o enquadramento histórico de representação da imagem feminina a partir de “moldes” social e discutir uma possível estética feminista.


I Congresso Internacional de Pesquisa em Cultura e Sociedade



(Acadêmica Vanessa Cristina Dias)



(Acadêmica Vanessa Cristina Dias)

quinta-feira, 5 de abril de 2018

A Jornada do Herói: Uma Metáfora Possível Para a Formação Docente - Seminário Espaço de Reflexão: Experiência de Vida


No dia 15 de março de 2018 o acadêmico Ítalo Franco Costa apresentou seu trabalho de conclusão de curso intitulado A Jornada Do Professor Herói: Uma Metáfora Possível Para a Formação Docente no "Seminário Espaço de Reflexão: Experiência de Vida" no IFSUL Pelotas, para a turma de Pós Graduação em Educação. No debate realizado após a apresentação, mediada pelo Professor Dr. Alexandre Vergínio Assunção, o acadêmico abordou a sua proposta metodologica de Escrita de Si, com base nas ideias de Marie Christine Josso.


A pesquisa foi orientada pela Professora Drª Cláudia Mariza Mattos Brandão e para saber mais basta clicar [aqui] 










Trabalho de Conclusão de Curso: A Jornada Do Herói Como Metáfora Possível Para a Formação Docente



No dia 8 de Março ocorreu no auditório 1 do Centro de Artes a defesa do Trabalho de Conclusão de Curso do acadêmico Ítalo Franco Costa, com orientação da professora Drª Cláudia Mariza Mattos Brandão e banca da Professora Drª Helene Gomes Sacco (CA/UFPel) e do Professor Dr. Alexandre Vergínio Assunção (IFSUL - Pelotas).

A pesquisa intitulada A Jornada do Professor Herói: Uma Metáfora Possível Para a Formação Docente tinha como prerrogativa:

A partir da observação dos desafios que a profissão docente enfrenta no Brasil, juntamente com a narrativa fantástica, que sempre esteve comigo através de livros e jogos de Role Playing Game, unindo-se com a minha formação como arte/educador, penso através dessa pesquisa que muito da formação do professor tem de semelhante com as histórias de heróis da mitologia, mas não aquelas onde os heróis são onipotentes e cartesianos, mas sim aquelas que possuem protagonistas com defeitos e falhas, e por isso a história de formação, vista dessa maneira, perpassa valores que tocam a formação humana e que dão origem a esta monografia. Trata-se de uma investigação qualitativa, de cunho narrativo autobiográfico, qualificada como uma pesquisa (auto)biográfica, explorando os conceitos de formação experiencial, trazido por Marie-Christine Josso (2004) e fato biográfico de Christine Delory-Momberger (2008). O estudo parte do questionamento: É possível analisar a formação docente relacionada à “Jornada do Herói”, tal qual descreve Joseph Campbell? Se sim, estará tal jornada associada à própria formação humana? Dessa forma busco refletir sobre os sistemas de educação que estruturaram a minha formação básica e os desafios do arte/educador em meu processo de formação, discutindo através de minhas memórias os processos de aprendizado e amadurecimento que adolescentes, heróis/educadores, passam durante sua formação. Para isso uso a estrutura do Monomito criado por Joseph Campbell (2007) como metodologia para estruturar uma narrativa de meus Momento-Charneira (JOSSO, 2004) como etapas da Jornada do Herói. Dessa forma busco colocar o professor como agente de sua própria história e refletir sobre toda formação ser (auto)formação, e que estamos sempre aprendendo ao longo da vida. Como resultado dessa reflexão vejo a importância de revisitar as memórias de si como uma potência criadora e principalmente emancipadora, onde (re)construímos nossa identidade e (re)pensamos nosso local no mundo. Para finaliza utilizo o livro de artista, como modalidade de expressão para trazer a discussão para o campo da arte, me aproveitando de diferentes técnicas para apresentar o discurso que serve de complemento para a parte teórica e vice-versa. 

(Autorretrato, 2017)

No livro de artista estão presentes autorretratos do autor realizados ao longo de seus anos no curso de Artes Visuais - Licenciatura, narrando poeticamente e demonstrando sua evolução técnica durante o curso,  através de representações de si, os modos como se percebeu durante a sua estada em Pelotas. Narrando também sobre sua trajetória no PhotoGraphein - Núcleo de Pesquisa em Fotografia e Educação, que não poderia ficar de fora da história, sendo o Ítalo bolsista de Iniciação Científica (PIBIC) por duas vezes, com algumas pesquisas publicadas. Uma delas, escrita em 2016, intitulava-se A Potência Discursiva do Autorretrato na Pós-Modernidade, o qual:

Tem como objetivo apresentar resultados parciais de pesquisa realizada junto ao PhotoGraphein – Núcleo de Pesquisa em Fotografia e Educação (UFPel/CNPq), discutindo o autorretrato como mote para a reflexão acerca da “crise de identidade” apontada por Stuart Hall, e as práticas de divulgação da autoimagem na contemporaneidade e suas reverberações. Para tanto, serão analisadas imagens produzidas pelo pesquisador e alguns retratos de Luis XIV, o Rei Sol, da França, buscando relacionar suas potências discursivas e os indicativos da fragmentação identitária dos indivíduos contemporâneos. As analogias que se estabelecem entre o passado e o presente resultam de inter-relações entre as imagens, que acionam o imaginário do observador, destacando a importância da fotografia como mediadora de processos reflexivos (trans)formadores.

(Selfie, 2017)

Ao longo deste artigo foi analisado como as nossas representações, nesse caso nas redes sociais, é uma persona que não necessariamente nos representa (como as pinturas que representavam o rei Luís XIV). Na imagem acima, por exemplo, o uso do filtro da bandeira LGBT sobre a sua foto de perfil poderia indicar a intenção de ser "melhor visto", ou de se enturmar em um grupo de pessoas, sem que necessariamente apoie as pautas da causa. Portanto, o estudo acerca da representação da autoimagem em nossa sociedade pós-moderna colaborou para o desenvolvimento da poética presente nos autorretratos apresentados no Trabalho de Conclusão de Curso, representando uma maior consciência acerca dos juízos de valor que criamos a partir das imagens, possibilitando um processo de (re)elaboração identitária tornando o pesquisador autor de sua própria história.










quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

PhotoGraphein no XVI Seminário de História da Arte

Durante os dias 19, 20, 21 e 22 de fevereiro de 2018, ocorreu no Auditório 1 do Centro de Artes da Universidade Federal de Pelotas o XVI Seminário de História da Arte. Os Seminários de História da Arte oportunizam a apresentação, discussão e divulgação dos resultados de pesquisas realizadas na área por alunos e professores do Centro de Artes da Universidade Federal de Pelotas, como também de investigações desenvolvidas por alunos e professores de outras unidades da UFPel e de pesquisadores de outras Universidades da Região Sul do Rio Grande do Sul. Os pesquisadores Guilherme Susin Sirtoli e Vanessa Cristina Dias junto da Coordenadora do PhotoGraphein, Cláudia Mariza Mattos Brandão, apresentaram duas pesquisas que estão sendo desenvolvidas dentro do núcleo. 

XVI Seminário de História da Arte
A CENSURA E A ABORDAGEM DO 'QUEER' NAS ARTES VISUAIS
 Guilherme Susin Sirtoli, Cláudia Mariza Mattos Brandão

Este trabalho se refere à segunda etapa de uma pesquisa em andamento, que visa relacionar casos de censura acontecidos no meio das artes visuais, buscando maior entendimento acerca da recepção das obras pelo público e suas repercussões. A censura no mundo das artes não é um fato novo, muito pelo contrário. Partindo do caso acontecido em Porto Alegre, em meados de 2017, quando a exposição QueerMuseu foi encerrada por parte de grupos conservadores, podemos nos remeter a diversos outros acontecimentos históricos. A pesquisa também tem o objetivo de entabular questões pertinentes ao ‘queer’ como inspiração temática para obras artísticas.

Você pode ler o trabalho na íntegra clicando aqui


ARTE ERÓTICA, SEXUALIDADE E PODER
 Vanessa Cristina Dias, Cláudia Mariza Mattos Brandão.

A arte erótica e suas distintas proposições sempre permeou a vida social e privada de diferentes populações ao longo do tempo. Em 2017 tivemos o exemplo de como a arte – quando considerada erótica – pode provocar reações inesperadas, como o fechamento da exposição QueerMuseu. As aparições na história da arte com relação aos órgãos sexuais são predominantemente masculinas, uma questão que consideramos pertinente discutir através da análise contextual de determinadas obras de arte de cunho erótico. Isso, para problematizar o fato do erotismo culturalmente ser naturalizado no mundo dos homens e apagado no das mulheres, uma situação que hoje é veementemente contestada, inclusive, nas redes sociais.

Você pode ler o trabalho na íntegra clicando aqui